Nikon Nikkor 50mm f/1.4 AI















Sobre a Nikon Nikkor 50mm f/1.4 AI pouco há a dizer. É pequena, simples e… fantástica!
De facto, esta foi, até hoje, a objectiva da Nikon que superou todas as outras que experimentei em termos de recorte e definição de imagem.
Só achei comparação possível com a Nikon Nikkor 60mm f/2.8 Micro AF-D mas em fotografias a curta distância. Analisadas as fotografias captadas por ambas cheguei à conclusão que para fotografia, desde que não macro, a 50mm AI supera, mesmo assim, a bem mais moderna 60mm f/2.8 Micro.
A que tenho foi comprada a um amigo que não fazia uso dela há vários anos e durante todo esse tempo teve-a guardada numa garagem. As consequências disso manifestam-se nos dois pequenos fungos existentes nas extremidades das lentes. Todavia, não são relevantes pois, pelo menos em formato DX, não afectam de modo algum a qualidade de imagem.
Certo dia, foi-me emprestada para testes.
Previamente, foi necessária uma cuidada limpeza e um pouco de tempo de exposição diária ao sol com vista a parar a evolução do crescimento dos fungos.Após essa fase, fui até ao jardim, tirei uma única foto à primeira coisa que me apareceu… e comprei-a!




Ao lado:

Primeira fotografia que captei com a Nikkor 50mm f/1.4 AI
(sem qualquer pós-produção além da redução do tamanho original)

Nikon D200 + Nikkor 50mm f/1.4 AI
(@ f/2.8; 1/640 seg.; ISO 200)





A saturação de cores, a isenção de distorção, um contraste e um “bokeh” excelentes fizeram-me ficar, de imediato, rendido a esta objectiva.
Posteriormente fiz uns testes de comparação, em termos de definição de imagem, também com a Nikon Nikkor 28-70mm f/2.8 Ed-IF AF-S (mantendo as mesmas regulações na câmara – com aberturas entre os f/5.6 e f/16) e cheguei à conclusão que apesar de existirem 20 anos de diferença entre elas, a 50mm f/1.4 AI tinha, ainda que por pouco, melhor definição de imagem!Na realidade, o facto de ser uma lente rápida não é o mais relevante nesta objectiva pois o seu uso na abertura máxima (f/1.4) é para esquecer pois é um completo desastre. A f/1.4 não há definição, não há saturação de cor, não há contraste…a imagem é um misto de “empastado” e de desfoque…. Mas logo na abertura seguinte (f/2) as coisas começam a melhorar substancialmente e mudam por completo a partir daí à medida que vamos fechando o diafragma. Pelo que tenho reparado, é entre os f/5.6 e f/11 que a qualidade de imagem atinge o seu nível máximo e, quanto a mim, é excelente, sendo que a f/16 (abertura mínima) perde um pouco o contraste.




Nikon D200 + Nikkor 50mm f/1.4 AI
(@ f/2; ISO 640; 1/200 seg)


Nikon D200 + Nikkor 50mm f/1.4 AI
(@ f/2; ISO 640; 1/125 seg)

Fotografias acima:
Culham College – Oxford
(Certamente quem está mais familiarizado com a série dos filmes Harry Potter, com um pouco de esforço, reconhecerá a famosa sala de jantar! Pois é, embora no filme aparente ser bem maior, é esta mesmo!)


A cor das imagens feitas por esta objectiva tende a ser um pouco saturada, o que pessoalmente gosto, transmitindo cores vivas e intensas, ao contrário da Nikon Nikkor 50mm f/1.8 Series-E que é mais neutra mas também menos definida.
A construção é óptima, sendo exemplo duma verdadeira Nikkor “à antiga” (pudera… esta é mesmo das antigas!).
O foco, manual (MF), é preciso e mesmo com uma câmara SLRD actualmente é possível captar fotografias com rapidez. Tanto assim é que, na última viagem que fiz, a Inglaterra (Londres, Oxford e Abingdon), esta foi a única objectiva que levei juntamente com a Nikon D200.
Bom, mas como disse no início… pouco há a dizer!


Qualidade Óptica
★★★★★
Qualidade de Construção
★★★★★
Versatilidade
★★★★
Manuseamento
★★★☆☆
Valor
★★★★★

Tópico relacionado:

16 comentários:

Rodrigo Valle disse...

Caro José Loureiro,
Concordo em pleno com a sua avaliação da 50mm 1.4 AI.
Eu tenho uma 50 1.4 AI-S, que é igual em termos opticos, e quano a usei com a minha D40 fiquei de queixo no chao com os cores, a definiçao, o bokeh....
Veja uns exemplos em:
http://www.flickr.com/photos/32318870@N03/3495678540/in/set-72157617525072605/

José Loureiro disse...

Viva Rodrigo.
O único problema destas "antigas" objectivas é a falta de AF e, no caso da sua Nikon D40, a dificuldade acrecida na correcta medição de exposição.
Já com as câmaras da série D2...D200 e posteriores esse último problema não existe pois indicando à câmara a distância focal e a abertura da objectiva temos inclusivé medição matricial (em 2 D matrix).
Quanto à qualidade optica destas "velhas" 50mm as opiniões dificilmente variam... mesmo por comparação com algumas opticas bem mais recentes. As únicas rivais à altura penso que são, as também manuais, Carl Zeiss (embora pessoalmente nunca tenha comparado).
Abraço

Anónimo disse...

Estou muito interessado em adquirir uma, foi muito interessante ler sua opinião sobre a lente . um grande abraço...

Geovane Rediss disse...

Amigo,sou iniciante possuo uma Nikon d90 e uma Nikorr 18-200, estou pensando em adquirir outra, penso em uma 50 mm nikon ou uma sigma 70mm 2.8.
O que voce sugere????

José Loureiro disse...

Geovane,
Uma objectiva com as distâncias focais 50 e 70mm já tem! A 18-200mm! Agora, precisa primeiro de saber se efectivamente necessita, ou não de uma “prime”. As “prime” são objectivas de distância focal fixa e, por isso, menos versáteis. Pessoalmente só vejo duas razões para o fazer: a primeira tem a ver com a abertura maior que as “prime” que refere tem. Ou seja, são mais luminosas e possibilitam captar fotografias em locais com menos luminosidade mantendo alguma mais velocidade de obturação. A segunda tem a ver com a qualidade de imagem. Mas, também quanto a este aspecto tudo depende do tipo de fotografia que faz e do destino que dá às mesmas. De qualquer modo a 50mm transforma-se, quando montada numa Nikon D90, numa objectiva de distância focal de 75mm (dado o factor de ampliação do sensor DX de 1.5x). Ou seja uma objectiva boa para retrato mas menos boa para outras aplicações. No caso da Sigma 70mm (penso que se refere à Macro) é uma objectiva específica para aquele tipo de fotografia e passa também a ser, na D90, uma 105mm pelas mesmas razões. Para outro tipo de fotografia (que não macrofotografia) pessoalmente acho as objectivas 100/150mm desinteressantes e de, relativamente, pouca aplicação.
Abraço

Anónimo disse...

ola

estou na duvida entre uma 50mm 1.4 da nikon e uma 50 mm 1.4 da sigma para nikon obviamente.
escutei sobre a qualidade superior da lente sigma.
eh verdade?
caso puder responda tb no: marcos.of@hotmail.com


abs

Anónimo disse...

Caro José Lourenço.
Parabens pelo seu belo Site.
Tenho uma lente Nikkor f/1.4.
Não ser dizer se ela é AI pois não tem nada escrito nela.
Tenho uma Nikon D300 e D700.
Usei esta lente na D300 e o resultado foi maravilhoso, mas quando a foto é clicada existe um barulho estranho parecendo uma batida interna do espelho.
Parei de usar com preocupação de prejudicar a maquina.
Na D700 não tive coragem de usar com medo de prejudica-la.
Gostaria de sua gentileza de comentar este fato.
Posso usar esta lente nos dois modelos citados acima?
Um grande abraço e fekicto mais uma vez pelos seu belos e educativos comentarios.

DANILO MOSCON
Juiz de Fora-Brasil
danilo591@terra.com.br

José Loureiro disse...

Bom dia.
Antes de mais obrigado pelas simpáticas palavras.
Quanto à objectiva que possui, se a usava na Nikon D300 sem problemas pode continuar a usa-la, de igual modo, na Nikon D700.

TODAS as objectivas construídas pela Nikon com encaixe “F” após 1977 (à excepção de um ou dois modelos raros construídos especificamente para a Nikon F 3AF) são compatíveis e podem ser perfeitamente usadas com as recentes D-SLR. Todavia, existem algumas limitações, já referidas neste blogue, em termos de medição de exposição com algumas câmaras (ver quais os modelos em “Técnica” Compatibilidade entre câmaras DSLR e objectivas antigas sem CPU).
A versão que tem, provavelmente, será a AI ou AI-S. Quer uma quer outra podem ser usadas na sua câmara à vontade.
Quanto ao barulho estranho que ouve, presumivelmente, deve-se não ao funcionamento do espelho da câmara mas sim ao funcionamento das lâminas do diafragma da objectiva. É normal, nestas objectivas, sentir-se barulho no funcionamento da abertura e fecho do diafragma (por vezes, se encostar a câmara à face ou nuca, sente-se quase uma pequena pancada). Tal facto tem relação com a construção destas objectivas e é normal.
Só as objectivas chamadas de pré-AI ou não-AI (construídas entre 1959 e 1977) é que não podem ser usadas quer na D700, quer na D300 bem assim como D3, D2, D200, etc, etc.
Ou seja, objectiva que funciona na D300 funciona, também, na D700.
Cumprimentos

Manuel Calçada disse...

Ola José Loureiro, ando há algum tempo a procura duma lente destas. Aliás, encontrei uma a semana passada mas, estava toda riscada na lente... uma pena. Se souber de alguma, gostaria de saber disso porque estou mesmo interessado. Obrigado e belas fotos!!

José Loureiro disse...

Fica aqui o repto... se alguém souber ou eventualmente tenha alguma para vender que avise este amigo!
Cumprimentos

Anónimo disse...

Quero comprar uma câmera semiprofissional, me falaram da sony HX1 e gostaria de saber sua opiniao.

José Loureiro disse...

Para não me estar a repetir aqui fica a opinião que emiti, em tempos, acerca da mesma questão. A diferença é que, actualmente, deverá ser ponderada a hipótese da Nikon D3100:

"É um pouco difícil responder à pergunta que faz…. O motivo porque o digo é pelo facto de estar a pedir opinião sobre dois produtos distintos. De idêntico só têm o preço….Sendo assim, cada um deles tem as suas vantagens e desvantagens sobre o outro. Isto é, a Sony HX1 é uma câmara compacta que faz uso de certos avanços tecnológicos (Detecção de Faces e a Obturação por Sorriso; steady shot; etc.) de maneira a simplificar o seu uso por pessoas com menos conhecimentos de fotografia e a melhorar os resultados finais. No fundo trata-se de uma compacta, com um zoom 28-560mm capaz de captar até 10 fotos/seg. (algo que não conseguirá na Nikon pelo preço da HX1). Quanto à Nikon D3000, trata-se da câmara de entrada das SLR daquela marca. É uma câmara simples que permite, caso seja essa a ideia “aprender” um pouco mais acerca da fotografia. No fundo conseguirá fazer o mesmo com uma que com a outra mas, provavelmente, no caso da Nikon terá de se “esforçar” mais para isso. Mas são conceitos de câmaras diferentes…
Pessoalmente, acho a D3000 um produto um pouco frágil… Um pouquinho melhor, para quem poder despender de mais algum dinheiro será a D5000, também frágil, mas que penso mesmo assim valer a diferença…
Contudo, a escolha entre uma ou outra câmara deve depender acima de tudo da maneira como vê a fotografia e como quer fotografar … (penso que este deverá ser o factor decisivo na sua escolha!).
Ao nível da qualidade das fotografias que produzem, devo confessar que nunca fiquei muito impressionado com a qualidade das Sony, quer das compactas (atenção que nunca usei/testei a HX1…!), quer do seu topo de gama a A900 que testei há tempos. Por seu lado, a objectiva que poderá comprar e que virá como “Kit” com a D3000 também não será o melhor que a Nikon produz….
A grande diferença: Se comprar a Sony HX1 não poderá, mas também não precisará, de comprar mais nenhuma objectiva. No caso da D3000 independentemente da que vier no “Kit” poderá, caso queira, mudar/trocar por outra(s) de diferentes distâncias focais, aberturas, qualidade…."

Cumprimentos

Nilson Soares disse...

prezado,

parabéns pelo artigo.

realmente, a lente é maravilhosa, porém a questão da abertura máxima é enganosa para quem não a conhece.

De que adianta, 1.4f, se ela não tem precisão... certo que a partir de 2.0 as coisas já melhoram muito.

Mas a minha grande dúvida é ... existe uma 50mm de 1.2f, o 2.0f delas e aberturas seguintes são melhores do que sua irmão 50mm 1.4...

abs,

Nilson soares

Jose Loureiro disse...

Nilson,
Infelizmente, ainda não tive oportunidade de testar a Nikon 50mm f/1.2…. Portanto, não lhe posso responder concretamente a essa questão.
Salvo algumas excepções, todas as objectivas atingem a sua máxima resolução óptica nas aberturas intermédias… Portanto, na abertura máxima de qualquer objectiva é “normal” alguma perda de definição. Devemos estar conscientes e contar com isso… Agora, facto é que no caso da Nikkor 50mm 1.4 essa perda é mais obvia que noutros casos…

Rui disse...

Boa tarde,
Gostaria de saber se posso usar esta objectiva na Nikon D7000.
Também posso usar a "AI-s"? Qual a diferença entre os dois modelos ?
Ambas também podem ser usadas no fole da Nikon PB-6, numa montagem semelhante à sua e que está documentada num dos seus posts sobre macrofotografia.

Muito obrigado pela ajuda.

Jose Loureiro disse...

Sim, pode utilizar indistintamente objectivas AI ou AI-S na sua D7000. Claro que a focagem será unicamente manual, mas a câmara fará a correcta medição de luz depois de lhe indicar a abertura máxima e a distância focal da objectiva que acoplar (através de configuração no Menu)!
Quanto à diferença entre as versões AI ou AI-S, quando utilizadas em câmaras digitais (ou mesmo nas mais recentes câmaras analógicas de 35mm) não existe qualquer diferença entre elas.
Em relação à montagem no fole de extensão Nikon PB-6 ambas as versões são também compatíveis.