Nikon Coolpix 7600 vs Nikon Coolpix s510 – Comparativo e teste à qualidade de Imagem




Especificações:




Uma das evoluções - o tamanho dos LCD's

A Nikon Coolpix s510 é uma das várias propostas que a marca Nikon disponibiliza na sua gama de pequenas câmaras compactas da série “S” (style).
O modelo, já descontinuado ou prestes a ser, foi introduzido no mercado em meados de Setembro/2007 e é, ainda, vendido sob três cores. O seu reduzido tamanho e peso tornam-na numa daquelas câmaras que cabem em qualquer pequeno bolso. A objectiva que possui (equivalente no tradicional formato de filme 35mm a uma 35-105mm) é mais que suficiente para o fotografo generalista e que pretenda fazer registos simples. Aliás, esta gama de câmaras da Nikon nunca se devotou a fotógrafos que pretendam efectuar capturas mais exigentes. Por isso é, desde logo, tendo em conta este pressuposto que devemos tirar algumas conclusões sobre a mesma.
Em todo o caso, é notória a introdução das mais recentes tecnologias neste tipo de câmaras de “consumo”. Aliás, destinando-se a um público por vezes menos conhecedor das técnicas e boas práticas fotográficas, compensam tudo isso com uma oferta de correcções que nas gamas superiores não vemos. Estou a referir-me, por exemplo, ao sistema de estabilização de imagem (VR), ao sistema de AF com prioridade ao rosto avançado que inclui a correcção de “olhos vermelhos”, os 15 modos automáticos de escolha de cenas, enfim…
Depois, além disso tudo, tem 8,1 megapixéis efectivos… aqui é que começa o marketing…. ou melhor, que tem 8,1Mp tem! Mas serão, por si só sinónimo de qualidade???
A camada de público a que se destinam este tipo de câmaras, regra geral (é sempre bom que se diga), a primeira coisa que pretende saber quando vai adquirir uma destas pequenas compactas digitais é quantos megapixéis tem! A razão de tal pergunta prende-se com o facto de a maior parte das pessoas associarem e verem como elemento principal para a determinação da qualidade de imagem a quantidade de megapixéis. Na realidade, esse factor é importante mas não é, exclusivamente, o factor primordial na qualidade de imagem. Os megapixéis fazem parte do posterior tratamento e conversão digital que as câmaras efectuam. Antes disso, e é logo a partir daqui que temos uma base determinante da qualidade de imagem que são capazes, temos a objectiva ou, se quiserem, as lentes que compõem a mesma. Uma boa objectiva é um princípio para uma boa qualidade de imagem. Por outro lado, uma objectiva de má qualidade não vai conseguir melhores resultados mesmo com o dobro dos megapixéis do primeiro caso. Ainda não há sistema de processamento digital que corrija e melhore a imagem duma má objectiva!
Na verdade, se formos a reparar, este tipo de pequenas câmaras possuem, hoje em dia, os mesmos ou até mais quantidade de megapixéis do que algumas câmaras de gamas superiores. Porquê? Precisamente porque isso é determinante na escolha por parte do público e porque sai mais barato a qualquer fabricante oferecer mais megapixéis (algumas vezes até por extrapolação) do que dotar as câmaras com boas ópticas!
Por isso, quis testar esta Nikon Coolpix s510 confrontando-a com um modelo mais antigo, a Nikon Coolpix 7600 que possui ”somente” 7,1Mp mas as suas ópticas são de vidros com tratamento ED.
A primeira é um modelo, como já referi, mais recente de 8,1Mp e que podemos adquirir por cerca de € 200,00 enquanto que a segunda é um modelo descontinuado que conta já com uns “bons anos”, mais precisamente de Novembro de 2005 altura em que custava cerca de € 300,00. A esse valor, na altura, acrescia o "obrigatório" dispêndio de mais cerca de € 100  por um cartão de memória SD de 1GB que, claro, não vinha incluído e que permite gravar aproximadamente 570 fotografias na resolução máxima da câmara!
Por isso, concluímos que passados cerca de 2 anos, podemos adquirir uma câmara da mesma gama, com mais megapixéis, mais funções, mais leve, mais pequena, mais barata…
Só falta saber se a qualidade (de imagem) também melhorou na mesma proporção ou não. Foi isso que quis descobrir fazendo um rápido teste comparativo entre as duas câmaras.

Os resultados que obtive foram estes:

Distorção:
(do mínimo ao máximo zoom óptico de cada uma das câmaras)


Zoom no mínimo: (os 35mm da s510 permitem um pouco mais de ângulo de imagem em relação aos 38mm da 7600)
A distorção da imagem nos cantos é grande e idêntica em ambas as câmaras.



Zoom a meio: Em ambos o caso já não existe distorção de linhas (o afastamento das linhas paralelas das imagens em relação às linhas vermelhas deve-se não à distorção mas sim à natural convergência de linhas para o infinito motivado pela localização da captura)




Zoom no máximo: Excluindo a diferença de maior proximidade e de menor ângulo de imagem que permite a Nikon Coolpix 7600 (114mm vs 105mm), quanto a distorção de imagem ambas as câmaras são idênticas não se vislumbrando incorrecções.

Qualidade de imagem:







Não vale a pena comentar pois as imagem falam por si!
Em todas as distâncias focais a qualidade de imagem da Nikon Coolpix 7600 é superior!
Aqui fica a prova que a obtenção de uma boa qualidade de imagem reside não só na quantidade de pixéis das câmaras mas também, entre outros factores, nas ópticas que usam!

Conclusões (Nikon Coolpix 7600 vs s510) – o que têm em comum:
  • Ambas as câmaras distorcem a imagens principalmente quando usadas na distância focal mínima.
  • Ambas só gravam ficheiros só em formato JPEG
  • Atraso na obturação: ambas têm um “delay” substancial (só em teste de laboratório se descobriria qual é a menos lenta)
O que difere entre as duas:
  • A Nikon s510 é mais leve e mais pequena, designadamente na espessura, pelo facto de usar uma pequena bateria ao passo que a 7600 usa duas pilhas AA, alcalinas ou recarregáveis (não na máquina)
  • O pior na s510: a qualidade das ópticas. (Mesmo assim, penso ser mais que suficiente para reproduções pequenas e para o tipo de público e fotografia a que se destina).
Obs: Este teste foi efectuado com as câmaras montadas em tripé mantendo-se sempre as mesmas distâncias aos assuntos fotografados. As resoluções usadas foram, em ambos os casos, as máximas permitidas em cada uma das câmaras. O modo de cena escolhido foi o “Auto” em todas as fotografias.

1 comentários:

laizek disse...

Muito boa a comparação, adorei. A propósito seu blog é muito bom!
Parabéns!