Fundos de Estúdio - Um "barato substituto do Plexiglas"


Fig. 1

Muitas vezes, temos a ideia que a Fotografia de Estúdio envolve equipamentos caros, sofisticados meios e complexos sistemas de iluminação.... Bem, algumas das vezes é verdade. Outras, nem por isso!

Como já tenho tido oportunidade de escrever em alguns artigos, o que importa realmente são os resultados finais. E, para isso, nem sempre é necessário recorrer aos sistemas mais caros ou complexos.... Hoje, cá fica um outro exemplo disso mesmo: uma base, bem barata, que pode ser um excelente fundo para realçar e conseguir o "efeito de espelho" em fotografias de produto.
No meu caso, mais barato não poderia ser... Custo? Zero! É verdade!
Quando preciso fotografar um determinado produto com esse "efeito espelhado" costumo utilizar uma base de tecido ou papel de cor preta sobre a qual coloco um vidro ou, noutras vezes, somente esse vidro com um jogo de iluminação que permita conseguir o mesmo efeito.
No mercado existem bases apropriadas para este mesmo fim. Plexiglas! O único senão é o seu preço. Além disso não é fácil de comprar pois nem todas as lojas de material fotográfico o tem disponível. Certamente por servir para utilizações muito específicas e pelo seu elevado preço.


Fig. 2
Portanto, já há uns tempos que tinha a ideia de "arranjar" uma alternativa eficaz e mais acessível ao Plexiglas.
Hoje, finalmente, decidi deslocar-me a uma loja relativamente perto que sabia vender variados tipos de materiais de construção e ter uma ampla gama de material de pavimentos cerâmicos - vulgo tijoleiras.
Bom, confesso que pode parecer estranho entrar numa destas lojas e explicar que não pretendemos comprar nada para remodelar a casa ou uma divisão.... mas, na minha experiência, tudo correu bem.
Após explicar o que queria (basicamente, para não gastar muito dinheiro, uma unidade de amostra ou, em alternativa, uma tijoleira com algumas das extremidades ligeiramente danificada), uma funcionária "desfolhou" as unidades de amostra que tinha na loja e, grande sorte minha, da que me servia existiam duas unidades!
Simpaticamente, a funcionária, ofereceu-me uma dessas unidades! Portanto, mais barato não podia ser!
Além disso, tratando-se duma amostra, a tijoleira oferecida até tem um pega colada o que torna mais fácil o seu transporte e manuseamento. Com as dimensões de 60x60cm e com o peso associado a esse tamanho, a dita pega até se torna uma mais valia.


Fig. 3
Assim, cá fica a sugestão! Uma solução que pode ser bem barata! Uma amostra de tijoleira vidrada de cor preta!
Apesar de nem todas as casas de Materiais de Construção comercializarem este tipo de tijoleira existirá, sempre, uma ou outra loja que as vendem. Poderia até deixar uma justa mensagem de agradecimento e citar o nome da loja a que fui, não fosse terem expressamente pedido para não dizer que a ofereceram...! :)
Mas, cada um pode tentar a sua sorte em lojas que vá passando!

Agora, o resto da informação complementar... Fotografar sobre este tipo de base implica alguns cuidados. A saber: 
  1. A base deve, antes de mais, estar imaculadamente limpa;
  2. Caso se pretenda um fundo negro devemos dosear a iluminação e a exposição nesse sentido. Caso se utilize uma desajustada exposição (a mais do que devida), a base ficará representada a cinzento e não o negro. Torna-se difícil conseguir o preto "puro" directamente na câmara mas, em posterior edição, é sempre possível, através do ajuste de níveis, corrigir essa tonalidade (ver Fig. 4);
  3. Sendo uma superfície refletora, este tipo de bases são vulneráveis a "mostrar" tudo o que exista na divisão (ou Estúdio) onde as utilizámos. Por isso, deve isolar-se a fundo negro (ex: com fundos de tecido) todas as superfícies que sejam refletidas na dita base. (Como podem facilmente observar na Fig.2, as próprias softbox's tem de ser colocadas de modo a não serem projetadas no fundo) 
Fig.4
E, pronto! Mais um artigo que espero que seja útil! Pelo menos, não implica grandes gastos... e, ademais, tentar não custa!

4 comentários:

Domundo disse...

Optima dica. Bem haja!

jose moreira alves disse...

Sim Sr. Uma mais valia,esta semana tive um problema com o meu Dry Box e lembrei de vos e dos vossos conselhos fui a Hong Kong tentar encontrar uma solucao e na loja depois de tanto pesquisar me lembrei de ir consultar os vossos tao estimados artigos mais pela funcionalidade sem torrar pataquinhas a mais,muito obrigado Mestre.

Nobre Luso disse...

Além do muito saber sobre Fotografia, o amigo José Loureiro não descura a parte inventiva e criativa...
Uma ótima dica, sobretudo para quem souber aplicar o outro aspecto da questão: a iluminação. O que não é nada fácil...

Jose Loureiro disse...

Sim, dosear e controlar a iluminação é essencial para a obtenção dum bom resultado final. Além da "quantidade" temos que estar atentos à "qualidade" da luz empregue. Uma iluminação directa tornará os objetos fotografados mais propensos a reflexos e a obtermos sombras duras. Por sua vez, uma iluminação mais difusa e suave ajudará a evitar esse problema.