Samyang 8mm f/3.5 AE Aspherical IF MC Fisheye






Especificações
Distância focal/Abertura:
8mm f/3.5 (APS-C)
Construção (elementos/grupos):
10 / 7
Ângulo de imagem:
180º
Escala distâncias focais:
n/a
Diafragma:
Automático
6 lâminas
Escala de aberturas:
f/3.5 ~ f/22
Medição de exposição:
Por método de abertura
Escala:
Desde 0,3m até ao ∞
Distância mínima de foco:
0.3m
Tamanho do filtro:
n /a
Dimensões (diam./comp.):
75 x 74,8mm
Peso:
383g
Ao longo dos anos tenho tido o privilégio de ter usado, experimentado ou testado diversas objectivas. Desde as "ultra-grande angulares" até às grandes "teleobjectivas", desde as mais baratas objectivas zoom até às expendiosas "prime", desde modelos de reconhecidas marcas até aos mais desconhecidos..., tenho usado de tudo um pouco ... Contudo, não tenho dúvidas em afirmar que, de todas elas, esta pequena
Samyang 8mm f/3.5 de fabrico Coreano foi, sem dúvida, a objectiva mais "divertida" que alguma vez já usei!
Esta objectiva é comercializada sob diversos nomes de marcas como:
- Rokinon;
- Falcon:
- Pro-Optic;
- Bower;
- Opteka;
- Polar;
- Walimex;
- Vivitar 7mm (visualmente diferente); etc..
No fundo, todas são exactamente iguais, à excepção da Vivitar que é comercializada como sendo uma 7mm e cujo acabamento difere um pouco de todas as restantes. Em todas as outras só muda mesmo o nome!


Em baixo:
(o conteúdo da embalagem)



A versatilidade desta Fisheye vai ainda mais longe e é, assim, comercializada para diversos e distintos sistemas de encaixe. Todos os possuidores de câmaras de marcas como:
Nikon, Canon, Pentax/Samsung e Minolta/Sony podem adquirir uma com a correspondente baioneta.
Existem duas versões para utilização (fotográfica) em câmaras da marca Nikon desta objectiva:
Uma mais antiga, sem contactos eléctricos (CPU) e outra mais recente (a que foi testada) que se distingue da anterior versão precisamente pela presença desses contactos eléctricos. De resto, a "nova versão" distingue-se visualmente pelas siglas "AE" (Auto Exposure) apostas no corpo da objectiva.
Uma outra versão, destinada a uma utilização em modo vídeo em D-SLR's, denominada "T3.8" completa a gama desta 8mm. As diferenças são óbvias e notórias face à versão destinada à fotografia. O seu aspecto é dominado por um anel vermelho e os anéis de abertura (que não produzem os tradicionais "cliks" de mudança de f/stop's) e de focagem possuem muito mais relevo. A abertura máxima deixa também de estar inscrita como f/3.5 para passar a ser de f/3.8.
Comprar uma ou outra versão da Samyang 8mm f/3.5 não é irrelevante... Todos os utilizadores que possuam câmaras Nikon sem possibilidade de indicação à câmara da distância focal que estão a utilizar bem como da abertura máxima da mesma deverão comprar somente a versão "AE"! (Ex: Nikon D3000; D3100; D3200; D5000; D5100; D5200, D40; D60....) Doutro modo, a câmara não possibilitará a leitura de luz! São precisamente estes contactos eléctricos que transmitem essa informação à câmara. Os restantes modelos (câmaras que permitam através do botão de função fornecer essas indicações) podem utilizar quer uma, quer a outra versão.

 Manuseamento 
Ter na mão uma destas objectivas Fisheye com um ângulo de imagem de 180º  é um verdadeiro apelo à criatividade! Depois de montada na câmara, instintivamente, estamos sempre à procura de qualquer tema que, por vulgar que seja, cause impacto quando fotografado de maneira distorcida...
Para os "amantes" das grande-angulares esta objectiva (acrescentando a distorção de imagem, claro) será certamente um "mimo"! Os 180º de ângulo de imagem (obtidos em formato DX) são inigualáveis! Sim, com muita pena, esta objectiva destina-se exclusivamente a ser utilizada com câmaras APS-C (com formato de sensor DX)...
A Samyang 8mm Fisheye é a opção mais barata que conheço no mercado deste tipo de objectivas.
Pessoalmente, comprei uma destas objectivas para uma ocasião pontual em que sabia de antemão que iria necessitar duma objectiva capaz de fotografar em exíguos espaços e com um grande ângulo de imagem. Mais concretamente para fotografar o interior dumas Minas de ouro Romanas... Podem ver aqui algumas fotos dessa ocasião (abre em novo link).
Antes de mais convém saber que esta 8mm é uma Fisheye diagonal. Ou seja, de maneira diversa das Fisheye's circulares (que formam a imagem num círculo no centro do fotograma) as Fisheye's diagonais "esticam" a imagem para os lado maiores do fotograma (plano horizontal). Portanto deformam a imagem em forma de "Barril" a partir de linhas imaginárias centrais (quer verticalmente, quer horizontalmente) como podem verificar na imagem ao lado.

 Construção 
A construção desta pequena Fisheye Samyang 8mm f/3.5 é surpreendentemente boa!
Pouco mais vale a pena dizer! Os anéis de focagem e de abertura são precisos e fáceis de operar. O plástico usado é de boa qualidade.
Ponto positivo também para a baioneta de encaixe que, apesar do baixo custo desta Samyang 8mm, é metálica!
Esta pequena Samyang possui um sistema de focagem designado de "IF" (internal focusing). Este sistema não implica a rotação da lente frontal durante o processo de focagem. As lentes que se movem são somente as internas. Tal sistema contribui para a sua robustez e tamanho compacto.
Como não há "Bela sem senão"... Embora não fazendo parte integrante da objectiva, a tampa de protecção frontal não acompanha a qualidade de construção da objectiva e bem que poderia ser algo melhor... Os pequenos rebordos internos que servem para "travar" o seu curso quando a colocá-mos partem facilmente e o sistema de encaixe não é de todo prático e eficaz...

 Em utilização 
Esta objectiva Samyang é duma simplicidade extrema de operar. Aliás, o facto de ser uma objectiva de Focagem unicamente Manual e não possuir, por isso, qualquer mecanismo de focagem automática (AF) passa quase despercebido... A profundidade de campo é enorme neste tipo de objectivas. Usando valores de f/8 e seleccionando na escala de focagem o infinito, a pouco mais de 2 metros é "clicar e andar"! Nem é preciso mexer mais no anel de focagem! Tudo ficará focado desde os cerca de 2m até ao infinito! Simples!
No entanto, e pelo contrário, focar algo que se encontra aquém dos 2 metros pode ser complicado... Não é, de facto, fácil a focagem de objectos muito próximos... Tudo fica extremamente reduzido e torna-se difícil apurar a correcta posição do foco... O sinal de confirmação de aquisição de focagem na câmara (ponto verde do visor) também não consegue, em certas situações fornecer indicações válidas.... Por último, em relação ainda a esta questão, devo referir que (pelo menos na objectiva que utilizei), a escala de medição métrica inscrita na objectiva não corresponde à distância a que realmente os objectos se encontram do Plano focal... Desde as distância mais próximas até ao infinito (que se encontra bem antes da menção na objectiva desse ponto...) existe sempre um erro...
Estando eu habituado ao tradicional sistema de bloqueio de abertura mínima nas objectivas Nikkor (AF-D) nos f/22 (no anel de aberturas) de modo a serem operadas em câmaras com indexação automática de diafragma (caso de todas as actuais D-SLR) senti que faltava esse pequeno comutador de bloqueio na Samyang... Se, eventualmente, inadvertidamente seleccionar-mos outra qualquer abertura do diafragma manualmente na objectiva rapidamente daremos por isso... o erro "EE" a piscar de maneira intermitente no visor da câmara e a incapacidade para captar fotos certamente nos indicarão que algo está mal!
Quanto à captura de fotos são necessário alguns cuidados... Na captura de fotos verticais há que ter especial atenção à nossa colocação de modo a evitar um "auto retrato" parcial! Facilmente, os 180º de ângulo de cobertura farão visíveis partes do nosso corpo como por exemplo pés ou mesmo as pernas!
De um modo geral também é de evitar segurar a objectiva perto do parasol ou, nesse caso, fotografaremos também a nossa mão... ou parte dela!
Por último, com uma iluminação solar vinda do sentido das nossas costas dificilmente se conseguem capturas em que a nossa sombra não esteja presente! O problema resolve-se (somente em algumas situações) com uma colocação mais lateral do nosso corpo ou escondendo a nossa sombra sob um qualquer elemento mais natural como, por exemplo, uma árvore, um muro...
Uma coisa que notei e que não posso deixar de referir (e alertar...) é que se torna praticamente impossível captar fotos, no modo de Medição Matricial, com uma correcta exposição. Se pensarmos um pouco e conhecermos este modo de medição (em especial nas câmaras Nikon) torna-se compreensível o porquê desse facto! O motivo prende-se, em especial, com as diferenças de luz existentes numa tão grande porção de cenário! As diferenças de Ev´s entre as sombras e as altas luzes são tão dispares que este sistema de medição tende a compensar as zonas de sombra... Resultado: Uma elevada quantidade de fotos sobreexpostas!
Problemático? Não! Basta usar o modo de Medição Central Ponderado ou até mesmo o Modo de Medição Pontual! Depois, de caso para caso, uns pequenos ajustes na compensação (se ainda necessário) resolverão o problema. Contudo, existe uma diferença nos resultados de medição de luz obtidos com a utilização desta objectiva Fisheye em modelos de câmaras diferentes... Numa Nikon D2x existe uma menor tendência para a sobreexposição do que, por exemplo, numa Nikon D300... duas das câmaras que usei para os testes.


 Qualidade óptica 
Bom, agora que já criei certamente a muitos, "água na boca", vamos lá ser mais criteriosos... Quase de certeza que já devem ter lido/ouvido que esta objectiva é uma excelente compra, que tem uma excelente relação preço/qualidade e que tem, também, uma excelente qualidade óptica... É quase tudo verdade.... Mas, infelizmente, a qualidade óptica, quanto a mim, por comparação e analisada sobre essa mesma perspectiva, não é assim tão boa...
Todavia, dada a redução da realidade que esta objectiva produz isso passa muito mais despercebido do que se fosse uma teleobjectiva.
Verdade é que, analisadas as imagens a 100% num PC facilmente se detecta a falta de recorte e nitidez... principalmente na sua abertura máxima (f/3.5). A f/5.8 ou a f/8, aberturas onde se alcança a melhor qualidade de imagem a "coisa"compõem-se um pouco...



Por exemplo, uma outra Fisheye que em tempos testei, a Nikkor 16mm, tem, apesar da sua idade, uma resolução bem superior... tal como o seu custo!
Quanto a aberrações cromáticas, os contornos azulados (Purple fringing) em condições de grandes contrastes/contra-luz, não sendo muito relevantes, lá acabam por estar presentes. A vinhetagem, surpreendentemente, mesmo com o diafragma bastante fechado, é bem controlada! O mesmo acontece com os reflexos. Objectivas grande-angulares bem mais caras, como por exemplo a Nikkor 14-24mm f/2.8, manifestam mais facilmente esse mal!


 Exemplos:  
(Clique p/aumentar) 




Nota final:
Não é possível corrigir as deformações de imagem da Samyang 8mm Fisheye em posterior edição de modo a minimizar o "efeito arredondado". Portanto, ao comprar esta 8mm devemos estar conscientes que o seu uso se destina exclusivamente a criar esse efeito típico das Fisheye! Não adianta, como no caso da Nikkor Fisheye 16mm, tentar uma posterior "correcção digital" das imagens de modo a proporcionar resultados análogos aos que se conseguem com objectivas grande angulares pois não o vamos conseguir. A deformação nos cantos é de tal ordem que, mesmo com um grande "crop", e corrigindo a restante parte, na maior parte das imagens vai ser notória a diferença de qualidade (recorte/nitidez) com o centro da imagem. Os cantos (zonas esticadas da imagem) ficam com aspecto desagradavelmente "esborratado".


 Resumindo 
Com todos os "defeitos" que se possam apontar a esta Samyang 8mm f/3.5, verdade é que "nem por sombras" se consegue comprar uma outra Fisheye capaz de nos divertir tanto pelo preço que custa!


Qualidade Óptica
★★★☆☆
Qualidade de Construção
★★★★
Versatilidade
★★☆☆☆
Manuseamento
★★★☆☆
Valor
★★★☆☆

Actualização (2015/07/06):

Teste comparativo e opinião acerca do novo modelo da Samyang 8mm (CS II) pode ser visto aqui

16 comentários:

filks disse...

Boas, tenho uma questão a colocar. comprei uma canon 60D e agora quero comprar uma objetiva fisheye! ja ouvi falar bastante desta samyang e inclusivé já estive quase a comprar mesmo uma! na analise que fez diz que esta lente n dá para filmar?? ou percebi mal?? quero a lente para fotografar mas também para filmar.

Jose Loureiro disse...

Existem duas versões da Samyang 8mm Fisheye: Uma (a que se refere no artigo de teste) específica para fotografia e uma outra designada de Samyang 8mm T3.8 UMC Fisheye CS II destinada a ser utilizada em câmaras D-SLR mas para fazer vídeo. Muito embora esta versão (T3.8) também possa ser usada para fotografar é mais própria para filmar uma vez que o anel de focagem é mais suave e fácil de operar. Ambas são facilmente identificadas e distinguem-se pela abertura máxima (f/3.5 no caso da de fotografar e f/3.8 na versão para filmar). Visualmente, a versão vídeo tem um anel vermelho e a escala de aberturas e de distância está desenhada para uma leitura lateral.
Resumindo, se o seu interesse é fazer vídeo deve comprar a versão T3.8 VDSLR.

victor sousa disse...

Boa tarde.

Sou um principiante em fotografia, e toda a hibrida linguagem de letras e números me atrapalha. Mas o seu blogue sempre me vai esclarecendo profundamente.
Agora, e neste preciso artigo, eu encontro a informação mais relevante, que supera até o manual da lente que comprei, e que só está em inglês.

A lente que comprei, e pelo que deduzo da sua explicação, é recomendada para vídeo, mas pode usar para fotografias.
Mas eu experimento-a na máquina, e só funciona se a abertura for 22.Nas restantes opções dá erro (EE).
A lente é
Samyang 8mm f/3.5 Aspherical IF MC Fisheye DH CSII.
O corpo é
Nikkon D90
Pode dizer-me o que faço mal? Ou há qualquer incompatibilidade que não enxergo?
Obrigado

Jose Loureiro disse...

Olá Vítor
Não há erro algum. É mesmo assim. O anel de aberturas da objectiva tem mesmo de ser fixada na sua abertura mínima (f/22). A partir daí controla a entrada de luz (fecho e abertura do diafragma) no selector da câmara. Só assim a câmara poderá reconhecer a controlar a abertura de diafragma.
Aliás um dos aspectos que referi no artigo foi precisamente a falta dum comutador de bloqueio da abertura de diafragma no anel de aberturas nos f/22. Este anel de aberturas da objectiva não vai precisar de ser usado e tem mesmo de estar nos f/22! Por isso, fazia sentido a existência do tal botão que permitisse bloquear a abertura nos f22 para não se correr o risco de sem querer o mudar e obter a mensagem de erro!

victor sousa disse...

muito obrigado. Este é sem dúvida o melhor sítio para se aprender fotografia. Bem haja.

Nuno Almeida disse...

Bom dia,

Eu tenho uma NIKON D90 e comprei na FNAC a versão de vídeo sem ter essa preferência... lol(http://www.samyang.co.uk/index.php/vdslr-lenses-cine/samyang-8mm-t3-8-umc-fish-eye-cs-ii)
Estou bastante satisfeito com a relação preço-qualidade e sobretudo pelas possibilidades criativas agora ao meu alcance.
Contudo, gostaria de confirmar a sua utilização somente em Modo Manual onde tenho ajustado a velocidade na máquina e a exposição na lente.

Obrigado,

Inês Almeida disse...

Bom dia, sou principiante em fotografia mas gostaria de adquiri esta objetiva. Mas tenho sempre dificuldade em perceber qual é a do post pois muitas vezes aparece .. (para videos). A objetiva em questao é esta? http://www.pixmania.pt/objectiva-para-nikon/samyang-objectiva-fisheye-8-mm-f-3-5-umc-cs-ii/21251915-a.html#srcid=12606&merch=26194 cumps

Jose Loureiro disse...

Sim, Inês, é essa. Actualmente o aspeto visual mudou e tem o aro vermelho.
A versão para fotografia tem uma abertura máxima de f/3.5 e a de vídeo f/3.8. Por essa diferença na indicação da objectiva facilmente as distingue.
Penso que comprará a melhor preço numa das lojas de venda representantes oficiais da marca em Portugal e que poderá ver qual a mais perto de siaqui

Alexandre Galli disse...

Boa tarde, esta comunicação entre lente e camera por chip é necessaria para a D7000? eu vi que você citou diversos modelos que recomendou a compra da lente com o chip, mas a d7000 não está lá... então entendo que a d7000 reconhece a lente sem o chip? Grato

Jose Loureiro disse...

Olá Alexandre
A Nikon D7000 reconhece objectivas mesmo sem chip pelo que o mesmo se torna desnecessário. Por isso não foi referido esse modelo. Portanto a Samyang 8mm Fisheye é compatível, sim, com a D7000.

Léo disse...

Excelente postagem. Parabéns pelas explicações clara e fáceis de entender?
Estou para comprar uma Samyang ou Bower 8mm 3.5 CS para Nikon. Só para confirmar, estes modelos não tem contatos elétricos, mas posso controlar o diafragma pela câmera com o anel de ajuste fixando a abertura em 22 na lente, né? E também ao fazer o foco, quando o mesmo está feito, a bolinha verde acende no visor, né? Grato.

Jose Loureiro disse...

Sim, quer a versão referida neste artigo, quer o novo modelo da Samyang 8mm para Nikon tem contactos elétricos e a abertura do diafragma pode ser controlada via selector da câmara. E sim, para isso é necessário fixar o anel de aberturas nos f/22.

Anónimo disse...

Boa tarde José Loureiro, tenho uma questao a fazer lhe, eu tenho uma nikon 3200 , comprei a samyang 8mm sem contactos eletrónicos, so consigo usar a lente em modo manual ,pois nao tenho os contactos, mas nao consigo alterar os F-stops, com a lente colocada, é como se nao tivesse lente, que ate nos outros modos aparece a mensagem " lente nao fixada" sabe como consigo resolver isto?

Obrigado, boa tarde

Jose Loureiro disse...

Efectivamente a versão da Samyang 8mm Fisheye sem CPU (versão anterior à do artigo) só pode ser utilizada com a Nikon D3200 no modo de exposição Manual.
A única maneira de controlar a abertura do diafragma é através do anel de aberturas da própria objectiva não podendo, no modelo sem contatos elétricos, ser controlada via selector da câmara.

Anónimo disse...

Hmm ok ok ,o que esperava , muito obrigado pelo esclarecimento, mas mesmo em modo manual , da para fazer tudo na mesma? fazer as alteraçoes que quero.
é mais essa a minha duvida, que assim escusava de trocar de lente novamente e usava so em modo manual ,neste caso a fisheye .

obrigado

Jose Loureiro disse...

Sim. A vantagem do modelo ilustrado no artigo e no ainda mais recente (CS II) é que possuem um Chip eletrônico que permite auto-abertura e auto-exposição. Daí as siglas "AE".
Quanto à utilização (do modelo sem Chip) em câmaras que não permitam a inserção/informação à câmara da distância focal e abertura máxima (como é o caso de todos os actuais modelos Nikon abaixo da D7xxx) o problema maior prende-se com a questão da medição de luz mas isso também se resolve com uma ou duas fotos de teste.
Portanto selecciona a abertura na objectiva e depois controla a velocidade de obturação na câmara.