Fotografia de Aves | Mais três novas espécies


Cotovia-montesina (Galerida theklae)

Em finais de Julho lá estive, de novo, pelas bonitas terras do Nordeste transmontano. Como não poderia deixar de ser (…e para não variar), sempre que visito a região, lá levo comigo a Nikkor 80-400mm. Uma teleobjectiva relativamente pequena que, quando montada num monopé e graças ao sistema VR, permite captar fotos na sua máxima distância focal com bastante recorte.

Um dos motivos porque o faço justifica-se com o facto de tentar sempre aproveitar a ocasião para obter algumas fotografias de aves comuns naquela região mas pouco vistas noutros locais, designadamente onde resido.

Bom, desta vez, fiz duas pequenas saídas matinais (…diga-se que ia já a manhã um pouco avançada) tendo, mesmo assim conseguido observar várias espécies como os enormes Grifos, Tentilhões-comuns, Toutinegras

No entanto, nem tudo o que se observa se fotografa… Mesmo assim, por um registo que seja duma nova espécie, vale sempre a pena levantar cedo e começar o dia com uma calma caminhada por bucólicos carreiros ladeados por campos ou árvores!
A poucas centenas de metros da povoação de Lagoaça (Freixo-de-Espada-à-Cinta) a paisagem rural começa a evidênciar-se. A tranquilidade e o silêncio tomam lugar e as aves podem ser observadas no seu verdadeiro Habitat natural.
Variadas espécies - nas árvores, fragas ou terrenos - lá estão elas!

Isto sim! Para quem vive na cidade (como eu) tudo isto tem um sabor ainda mais especial!

A Cotovia-montesina, espécie típica na região (retratada  na imagem do topo), foi um bónus duma dessas saídas. Muito lentamente lá me fui pouco a pouco aproximando da ave, captando registos cada vez mais próximos… consegui estar a uns escassos metros da mesma!

No entanto, as condições de luz para este tipo de fotografia não eram as ideais… Obtêm-se melhores resultados em dias nublados ou até mesmo em dias de chuva que com um sol resplandecente. Nesses dias a luz está difusa diminuindo os riscos de “brancos” estourados”. De igual modo, toda a ave – em dias com estas características - fica uniformemente iluminada, sem grandes contrastes.

Não tenho qualquer dúvida em afirmar que esta “qualidade da luz” dos dias nublados vale bem mais que a "quantidade de luz" dos dias de sol radiante pois, a primeira, propicia a inexistência de reflexos e brilhos nas penas das aves obtendo-se uma mais correcta exposição.

Em suma: Lá consegui acrescentar três novas espécies ao site "Aves de Portugal". A Cotovia-montesina  (fotografada nos terrenos das imagens), a parecida Cotovia-de-poupa, e o Estorninho-preto (infelizmente, esse último, só consegui fotografar numa inestética antena já no centro da povoação... mas fica, pelo menos, para registo da espécie, o que também é importante).

2 comentários:

mfc disse...

É a sua exigência que o leva a criticar a excelente foto que nos trouxe!
Parabéns e um abraço.

Jose Loureiro disse...

Obrigado :)
Um abraço.