Nikon SB-900






Introdução:
Ando há semanas às voltas com este artigo sobre o Nikon SB-900...
Quais são as características importantes num flash? O que é que faz com que o modelo "A" seja melhor que o "B"? 
Acerca dos flash's electrónicos não há muito a dizer. Acima de tudo precisamos que tenham potência e alcance luminoso, que essa potência seja bem dirigida e controlada e que permitam, através das suas regulações (directas ou via câmara) obter alguns efeitos criativos. 
Estes são, essencialmente, os factores determinantes na escolha e que distinguem um bom, dum menos bom, flash. Desde que realmente precisemos e saibamos tirar partido dessas características!   
O Nikon SB-900 está dotado daquilo que de melhor se faz actualmente nesta área. É potente, a intensidade dos clarões, face à medição TTL, particularmente a função de enchimento equilibrado, é correcta, é prático de usar e no que respeita a efeitos de criatividade e de controle preciso de cor e exposição é completíssimo. Quando usado como "flash de enchimento" este SB-900 é verdadeiramente fantástico! Embora não seja o tipo de fotografia que mais faço, reconheço que este pequeno acessório será um "must have" para fotógrafos de eventos como casamentos, comunhões, etc,... 
Depois, em termos de regulações não falta por onde escolher! Os modos de programa disponíveis são vários: TTL-BL; TTL; GN; A (funciona com Auto-abertura); RPT e Manual.
Ou seja, provavelmente, não vamos esgotar ou sequer tirar partido de muito daquilo que permite!
Uma das características peculiares deste Flash é que reconhece e muda, automaticamente, a intensidade e ângulos do clarão para os modos FX ou DX em função da câmara usada!
Outra curiosidade: a actualização do firmware deste equipamento faz-se através de "descarga" pela câmara de informação previamente gravada (por exemplo via internet) para o cartão de memória da mesma.


O problema com a utilização deste flash SB-900 reside não nas suas capacidades ou potencialidades mas sim na sua utilização prática! Ou seja, no fundo temos um Ferrari nas mãos mas dificilmente vamos conseguir correr com ele nos limites.... (a analogia pode não ser a mais própria e pode inclusive ofender algum dono duma destas viaturas... só pelo facto de nunca ter ouvido falar de sobreaquecimento no caso dos Ferrari's...)
Mas já que falamos disso... Um dos aspectos mais discutidos e que preocupam os eventuais compradores deste equipamento é o "conhecido" problema de sobeaquecimento... Bom, um dos motivos que fez com que demorasse a escrever este artigo tem, de certo modo, alguma relação com isso. Quis ter mais tempo para testar sob várias condições este SB-900. O que é facto, é que temo que se não escrever agora este artigo posso não vir a escreve-lo nunca... Por outras palavras, até ao momento ainda não deparei nenhuma vez com esse "defeito"!
Por várias vezes, propositadamente, tentei fazer 15/20 disparos consecutivos à potência máxima do flash a ISO 100 (f/5.6) e nada! Excluindo o facto de que quando fazemos uso do flash na sua potência máxima o tempo de reciclagem entre disparos é um pouco maior até atingir o ponto de carga para o próximo clarão, nada se passa... sempre tudo certinho! Sinceramente também não percebi... muita gente "queixa-se" deste problema...
Será que comprei um "Edição especial"?? Não, não me parece! O que acontece é que usei (e uso) sempre pilhas recarregáveis de grande miliamperagem e SEMPRE em boas condições de carga!
Penso ser este um dos segredos! Ou seja, o problema do sobreaquecimento não está tanto assim relacionado com anomalia intrínseca ao flash mas sim à incapacidade das pilhas face ao "esforço" a que são sujeitas pelo mesmo. Noutros flashs não subsiste este fenómeno porque os tempos de reciclagem são maiores não exigindo, por isso, uma disponibilidade tão rápida de energia o que faz sobreaquecer... as pilhas!
Para poder entender e determinar com mais rigor este fenómeno, fiz uns testes comparativos entre o tempo de reciclagem, usando semelhantes potências e parâmetros, entre o SB-26 (o melhor e mais rápido flash... do seu tempo) e o SB-900 e as diferenças são, pura e simplesmente,... abismais! Daí que dê para compreender melhor o porquê deste esforço exigido à fonte de energia!
Mas chega de conversa. Vamos a umas imagens!


O que vem na caixa:





Imagens adicionais:

(Com porta filtros e com difusor)




As diferenças de tamanho em relação ao já "generoso" Nikon SB-26....








Modo remoto:

  • Nikon CLS (Creative Lightning System)

Este é um sistema que permite comandar remotamente sem fios, de maneira precisa e em modo i-TTL, através da câmara, até 3 grupos de unidades de flash de forma independente. Para cada um dos flash´s (ou grupo) pode ainda ser, por sua vez, regulado o nível do clarão através duma compensação de exposição independente.

Quando usado o flash integrado de câmaras, que permitam comandar remotamente flash´s externos através deste tipo de iluminação (CLS), não existe maneira de eliminar totalmente o efeito do clarão emitido pelo mesmo. Existe sim a possibilidade de reduzir a potência somente ao necessário a activar os outros externos. A regulação será "- -" para o flash interno da câmara que "comandará" os outros (tal como exemplo ao lado).
Embora câmaras como a Nikon D3000 e D5000 possam utilizar este sistema de iluminação avançada sem fios da Nikon têm de faze-lo recorrendo a um flash de comando externo. Isto é: o flash integrado na câmara (pop-up) não controla este sistema. Por outro lado, câmaras como a Nikon D90; D300/s e D700 conseguem-no.


  • SU-4
Este é um modo tradicional e também possível de utilizar para disparar remotamente este SB-900 como flash escravo. Igualmente sem cabos mas, neste caso, disparando por simpatia pelo clarão emitido por outro qualquer flash... independentemente da sua marca ou modelo. O próprio flash integrado em qualquer câmara o pode, de igual modo, activar. O sistema funciona através duma pequena célula (na frente do aparelho) que capta o clarão doutro flash.
Os modos disponíveis de funcionamento, são dois: O Automático e o Manual. Ambos permitem regular a distância focal usada (ângulo de clarão) e Formato FX ou DX. O modo Manual, por sua vez, permite ainda a regulação por facções de potência (até aos 1/128).

Painel:



O painel do SB-900 é luminoso e à excepção do botão de ligar/desligar tudo é funcional.
O selector central (de rodar) com o botão de confirmação "OK" no centro é extremamente simples, rápido e prático de usar! E ainda bem que ele existe... Os menus de configurações personalizadas são tantos que se não fosse este prático selector demoraria uma imensidão a encontrar e escolher as regulações! Depois, cada um dos pequenos botões permite, também de maneira directa e simples, alterar uma determinada função, tais como compensação de nível de clarão, modo de flash, abertura, zoom (distância focal usada), etc..
Sinceramente só não percebi ainda muito bem o porquê do grafismo neste painel relativo ao modo directo/reflectido... será para os mais distraídos, que em vez de olharem para o flash em si mesmo olham só para o painel...?





O que menos gostei:
  • Impossibilidade de regulação no flash e, de igual modo, ausência de informação no display do mesmo, relativa aos modos: Sincronização cortina traseira, redução de olhos vermelhos, etc.. A regulação, desses modos, tem de ser efectuada utilizando os botões selectores da câmara para o modo flash e confirmada essa informação somente no display desta última!
  • O sistema de filtros coloridos (de encaixe no interior do porta filtros) não é de todo prático... Solução bem melhor foi arranjada para o novo SB-700 (um SB-900 em tamanho pequeno - lançado há cerca de um mês) em que deixam de existir os frágeis e muito pouco práticos filtros de cor em material plástico (tipo acetato) passando a existir, para acerto do equilíbrio de cor, rígidas peças de plástico colorido (tipo do porta filtros deste SB 900). Na realidade, a montagem destas "folhas de plástico" é demorada, tem de ser feita encaixando correctamente as mesmas (caso contrário o flash não conseguirá reconhecer que estes filtros estão acoplados) e, após algumas utilizações estão que nem papel de rebuçado! 
  • Por último, pode ser um preciosismo (ou defeito meu) mas não acho o botão de Ligar/desligar muito prático de activar. Principalmente para passar para o modo "Remote" e "Master" em que obriga a que simultaneamente se carregue no botão central enquanto se roda o selector principal.

Aspectos positivos:
  • A iluminação do painel do flash e do visor da câmara acende de modo automático e simultâneo, nos dois, independentemente qual deles manusearmos.
  • O sistema de fecho na sapata: rápido, prático e fiável!
  • A medição de luz, via SB-900, pode ser feita por qualquer ponto de focagem permitido pela câmara (podendo, inclusive, ser feita em vários pontos simultaneamente caso se use a focagem dinâmica) algo verdadeiramente "revolucionário" face a outros flash's que só conseguem fazer a medição num único ponto de focagem: a zona central.
  • A existência duma pequena luz vermelha na parte frontal do flash (à semelhança da existente na parte traseira) que nos serve de indicação e aviso de "pronto para disparar". Útil quando pretendemos usar este SB 900 como flash externo no modo "Remote"
  • A cabeça do flash roda 180º na posição horizontal os dois sentidos (esquerda/direita)

Em utilização:
Em baixo ficam algumas imagens  de exemplo, meramente demonstrativas, dos vários tipos de iluminação possíveis com este Nikon SB-900.
(para que possam ser observadas as diferenças entre a iluminação de cada modo, foram mantidos iguais parâmetros como o tipo de medição-Matricial e o equilíbrio de brancos-Auto em todas as fotografias) *

 Exemplos em interiores:














 Exemplos em exteriores:



* RECTIFICAÇÃO: Quanto à velocidade de obturação indicada nas fotos, onde se lê 60 seg. deve ler-se, obviamente, 1/60 seg. e não como, por mero lapso, se escreveu!


Em suma:
Simplesmente... BRILHANTE!

60 comentários:

Rodrigo disse...

Excelente Post, que já aguardava há algum tempo :). Os meus parabéns tanto pelo conteúdo como pela qualidade e cuidado com que expõe.

Continue o excelente trabalho.

cumprimentos

José Loureiro disse...

Obrigado. Mas devo referir que este não é, de todo, um artigo exaustivo acerca do SB900. Provavelmente ficou ainda muito por dizer…
Contudo, espero que dê para ficar com uma ideia das suas potencialidades!
Cumprimentos

filipe m. disse...

Caríssimo, se me permite apenas uma pequena correcção: na explicação de modo remoto - Nikon CLS, refere as D3s e D3x como capazes de controlar o sistema, no entanto elas só o poderão fazer recorrendo a um flash de comando externo visto não possuírem flash interno.

E continuo a dizer que o único problema deste SB-900 é o preço... mas estou também curioso para saber que tal se comportará o ainda mais recente SB-700, cujo preço também aumentou em relação ao SB-600... raio de passatempo caro! :)

José Loureiro disse...

Tem razão Filipe. É a mania de ir por aí acima….:)
As D3 conseguem controlar vários flashs através do SU-800. Mas com esse comando remoto, com outra unidade SB-900 ou SB-800 até as D3000/D5000 também o fazem, claro!
Já foi corrigido!
Cumprimentos

DOMINGOS REIS disse...

como de costume - precioso
abraço
Domingos

Correia dos Santos disse...

Mais do mesmo, isto é mais um post com a qualidade do costume, obrigado pela partilha. Gostaria de ver esclarecida uma questão se lhe for possível: o SB900 na posição de remoto só funciona quando comandado por outro flash, ou o da própria camera ou outro se estiver inserido na sapata, nunca funcionará isoladamente no modo remoto, como se estivessemos a utilizar um tigger? Obrigado.
Correia dos Santos

José Loureiro disse...

Caro Correia dos Santos,
Funciona sim. Por exemplo, através da unidade SU-800. Nesse caso, poderá usar somente o SB-900 numa determinada localização (fora da câmara) e fazê-lo disparar remotamente através da unidade indicada.
Sem essa unidade, o melhor que se consegue é diminuir a potência do flash de comando ao mínimo possível (como indicado na imagem). Todavia, ainda que pequena, haverá sempre uma emissão de luz a partir do flash de comando.
Cumprimentos

António Pereira disse...

Meu caro descobri hoje o seu blog que achei deveras interessante.
Quanto ao SB 9oo deixe-me dizer-lhe que o aquecimento é mesmo real.
Naturalmente não é com 15 ou 20 disparos que ele aquece.
Faço reportagens e utilizo o dito cujo e posso-lhe dizer que já fiquei "mal" e estava prevenido, mas nem assim. Uso pilhas recarregáveis de 2700.
E se estiver a fotografar ao sol, então é que ele aquece. Deixa mesmo de funcionar, as pilhas ficam quentes e nem com pilhas frescas ele trabalha, tem que se deixar arrefecer, só assim...

Deixou-me bastante desiludido...

NO SB 800 (também tenho 1) nunca tal aconteceu.
Cumprimentos.
António Pereira

José Loureiro disse...

António Pereira,
Obrigado por partilhar a sua experiência….
Vou continuar atento e a testar o meu que, até ver, ainda não me deu essa desilusão... Mas, tal como disse, provavelmente não efectuo assim tantos disparos consecutivos e de cada vez que uso o flash é sempre com pilhas totalmente recarregadas.
Cumprimentos

Cesar disse...

Olá J. Loureiro.

É possivel utilizar as técnicas aqui mencionadas no SB 600? aliás, qual a diferença básica entre ambos? além, é claro, do preço :)
Um abraço.
Cesar.

José Loureiro disse...

Olá César.
Existem várias diferenças entre os SB 600 e o SB 900. Todavia, praticamente tudo o que pode fazer com um pode fazer com o outro…
Resumidamente aqui ficam (além do preço =) ) algumas diferenças:
• Nº guia (determina a potência do clarão): SB-600 = 30; SB-900 = 34
• Ângulo de cobertura: SB-600 = 24 a 85mm; SB-900 = 24 a 200mm (c/difusor SB-600 = 14mm e SB-900 = 12mm)
• Ângulo de rebatimento: SB-600 = 0 a 90º; SB-900 = - 11 a 90º
• Tempo min. de reciclagem: SB-600 = 2,5 seg.; SB-900 = 2,3 seg.
• Modos: SB-600 = só como Remoto; SB-900 = Remoto e Comando
• Fracções de potência: SB-600 = 1/64; SB-900 = 1/128
• Identificação automática de filtro de correcção de temperatura de cor: SB-600 = Não; SB-900 = Sim
• …
Quanto a mim, apesar de tudo, as diferenças mais relevantes serão a potência e o ângulo de cobertura.
Abraço

Fernando Bagnola disse...

Viva JL!!! Novamente um espetáculo de informação a que já estamos habituados! Queria lhe pedir uma ajuda quanto à possibilidade, ou as possibilidades, de usar o SB900 fora da camera D3100 disparando wireless sem necessidade de ter q comprar triggers. É possível??? Muito obrigado desde já! Abraço

José Loureiro disse...

Olá Fernando.
Fazendo somente uso do flash integrado na câmara, a Nikon D3100 não pode fazer disparar remotamente em i-TTL o SB-900. Só consegue faze-lo desde que use na sua sapata um SB-900, um SB-800 ou a unidade SU-800 fazer disparar um outro flash externo…
Agora, caso queira trabalhar manualmente com a potência do clarão pode usar o flash integrado na D3100 e colocar o SB-900 como flash remoto seleccionando, no mesmo, a opção SU-4, conforme descrito no artigo.
Cumprimentos

William disse...

Olá José Loureiro,
Qual a sua opinião sobre a compra de um SB-700 no lugar do SB-900 para iniciante (sem intenção de uso profissional, somente passatempo)?
Como a diferença de valor não é tão grande, tenho dúvida se é melhor investir no modelo mais potente, mesmo sendo iniciante.
Obrigado,
William.

José Loureiro disse...

Olá William
Mesmo para uso “profissional” o SB-700 é mais que adequado. Tal como o SB-600…mais acima pode ver as principais diferenças.
No caso do SB-700 vs SB-900, a maior diferença que encontro reside na Distância focal Max. utilizável:
SB-900 = 200mm – SB-700 = 120mm (um pouco mais que o SB-800 = 105mm)
Depois, em termos de tempo de reciclagem, CLS, etc, tudo fica muito próximo entre os dois modelos.
As outras diferenças (notórias, claro) entre o SB-900 e o SB-700 residem no tamanho dos flash’s e no preço… ambas a tornar mais “apetecível” o SB-700!

Raphael Martins disse...

Olá José Loureiro,

Estou em vias de adquirir um SB 900 e vejo que ele vem apresentando alguns problemas com recarregáveis de 2500mAh como as Eneloop XX. Você conhece tal problema? Outra dúvida é, a diferença de preço entre ele e o SB 700 é de somente 200 reais aqui no Brasil (Em torno de 35 euros). Qual seria o mais vantajoso, SB 700 ou 900 levando em consideração esta ínfima diferença de preço?

Abraço e excelente blog!

José Loureiro disse...

Olá Raphael.
Pessoalmente, até à data, continuo a não ter quaisquer problemas com o Nikon SB-900 que habitualmente uso. Contudo, reconheço que o tipo de fotografia que faço e as condições em que o utilizo não são extremas… logo, esse factor deve ser tido em conta. Depois, como de resto já acima ficou dito, a maior diferença, quanto a mim, reside na distância focal máxima/alcance utilizável. Mais uma vez, este também é um factor que pode ser, mais ou menos, relevante para cada um…

João Morgado disse...

Caro J. Loureiro,
Desde já quero dar-lhe os parabéns pelo excelente post aqui publicado. Foi, sem dúvida, muito esclarecedor para mim.

Estou a pensar comprar um SB900, mas ainda tenho algumas dúvidas quanto às prestações do equipamento. Tenciono fazer bastantes trabalhos disparando apenas esse flash remotamente, pelo que gostaria se saber se apenas a unidade de comando SU-800 é compatível com o flash. Não será possível utilizar unidades de comando mais baratas, como por exemplo as da Gadget Infinity?

Obrigado e os melhores Cumprimentos.

José Loureiro disse...

Olá João.
Penso que é possível, também, utilizar remotamente o Nikon SB-900 com os Gadget Infinity.
Todavia (fazendo desde já a ressalva que não conheço muito bem a marca), penso que os modelos que permitem usufruir das potencialidades do SB-900, nomeadamente i-TTL, não serão muito económicos… Mas é uma questão de pesquisar qual o modelo que se adequa ao SB-900… e à câmara que pretende usar.
Em todo o caso, como ficou dito no artigo, com algumas câmaras e com uma incidência mínima de emissão de luz, o flash integrado pode servir para accionar remotamente, sem mais e em i-TTL, o Nikon SB-900.
Além disso, se não quiser despender mais $$$ e as condições permitirem que “trabalhe” usando o modo Manual do mesmo, pode accioná-lo remotamente através do clarão doutro qualquer flash (por exemplo o integrado na câmara caso a mesma não suporte o sistema CLS) recorrendo ao Modo “SU-4” de maneira idêntica à indicada aqui

Rui Bernardo disse...

Bom dia
parabéns pelo excelente artigo
comprei um SB900, e tenho andado a fazer alguns testes e como não consegui fazer o que pretendo, ando á procura de respostas na internet, (foi assim que encontrei este blogue)
Depois de ler o artigo, e porque não consegui configurar o falshe e a camara, é possivel fazer disparar o sb900 fora da sapata do corpo, (sem fios) sem levantar o pop up do corpo? tenho dois corpos, uma D80 e uma D300?
obrigado pela ajuda

RB

José Loureiro disse...

Não! Para esse efeito só com uma unidade Nikon SU-800 (ou compatível…).
Através da câmara, só com o flash integrado levantado podendo reduzir ao mínimo o seu clarão conforme explicado no artigo.

Anónimo disse...

Ola Amigo, to tentando disparar sem cabo 2 flashs sb 600 com a minha D3000 e não ta dando, vc saberia se é possivel e como posso fazer isso

José Loureiro disse...

Só com a D3000 e os (2) SB-600 não dá!
Uma vez que os Nikon SB-600 não possuem a capacidade de funcionar como flash’s de “comando”, nem o flash integrado na D3000 também o fará, terá, dentro do equipamento Nikon, duas opções: O “retransmissor” Nikon SU-800 ou, como outra opção, adquirir um terceiro flash (que terá de ser montado na sapata da câmara) e que só poderá ser um Nikon SB-900; SB-800 ou SB-700 uma vez que só estes três modelos “comandam” sem fios os outros SB-600 que servirão de Flah’s remotos.
Caso queira, como alternativa poderá também pesquisar por conjuntos “transmissores/receptores” de fabricantes independentes que adaptem à D3000 e aos SB-600… Talvez seja a opção mais viável e económica.

Anónimo disse...

Sr. Loureiro, seu blog é um trabalho de caridade para pessoas, como eu, admiradoras da fotografia, porém, com conhecimentos técnicos limitados.
Parabéns pelo trabalho..
Uma dúvida: posso disparar remotamente um flash sb900 a partir de uma nikon d7000, sem utilizar o su800?

José Loureiro disse...

Pode sim!
A Nikon D7000 pode controlar remotamente sem fios os Flash’s SB-900; SB-800; SB-700; SB-600 e os SB-R200 .
O flash integrado na câmara servirá como “Comando”.

Para isso deverá configurar (via Menu) na câmara o seguinte:

Vá ao MENU DE DEFINIÇÕES PERSONALIZADAS (símbolo de lápis) »
Seleccione: e BRACKTING/FLASH »
Seleccione: e3 CONTROLO FLASH INCORPORADO »
Seleccione a última opção: C MODO COMANDO »
E por fim escolha o modo pretendido. Não esquecer de confirmar com “OK”

Caso queira minimizar o efeito do clarão do flash integrado na D7000 deverá seleccionar “- -“ como indicado no artigo.
Quando desejar usar “normalmente” o flash integrado da câmara não pode esquecer-se de o activar novamente para a função TTL através do mesmo processo.

Anónimo disse...

Sr. Loureiro,

Muito obrigado pela dica. Testei agora e funciona muito bem.
Agora é seguir experimentando.Abraço

Heliton disse...

Tenho 02 SB900 - Exijo muito dos mesmo e até agora não tive problemas. Utilizo rádio para disparar os flashes fora da camera, claro com ajuste manual.
Uma pergunta: No caso de usar o sistema nikon de disparo de flash fora da camera, o AF do flash ajuda a focar ou o foco fica exclusivamente por conta da camera?
Obrigado e boa sorte.

José Loureiro disse...

Olá Heliton
Eu também continuo a não ter problemas com o que utilizo…
Quanto à sua questão (se bem a percebi) a resposta é: Não. Nem tinha sentido o contrário pois a focagem tem que ter em conta a distância entre a câmara (plano focal) e o objecto e não a distância entre este último e o flash. Por isso, tem de partir da câmara.
Em todo o caso, o sistema auxiliar de focagem por infra-vermelhos disponibilizado pelo SB-900 só actua em condições de pouca luz (estando este montado na sapata da câmara).

Heliton disse...

Não perguntei direito.
Estava falando exatamente do flash na sapata como mestre e em condições de baixa luminosidade e não do escravo.
Obrigado.

José Loureiro disse...

Nessa situação, funciona sim!

FRANKS disse...

VC ESTA DE PARABENS JOSÉ LOUREIRO PELA SIMPLICIDADE DA LINGUAGEM COMODE COMO VC FAZ SEUS COMENTÁRIOS. CONSEGUI CONFIGURAR MINHA CÂMARA D7000 PARA DISPARAR REMOTAMENTE MEU SB700. GOSTARIA QUE ME FALASSE O PASSO A PASSO DA CONFIGURAÇÃO AO LIGAR O MEU SB700. PARA CONSEGUIR DISPARA-LO REMOTAMENTE. DESDE DE JÁ AGRADEÇO!
TENHA UMA ÓTIMA PASCOA!

José Loureiro disse...

Depois de efectuada a configuração na câmara (D7000) só tem de seleccionar a posição “Remote” no SB-700 e escolher o ângulo de clarão… 24mm, 50mm, 70mm, etc.. Quanto maior distância focal seleccionar (número mais alto) menor vai ser o ângulo de incidência de luz emitida pelo mesmo,
Existe ainda a possibilidade de utilizar o SB-700 no modo M e escolher a fracção de potência desejada até 1/128.
No primeiro caso, essa é indicada e comandada pela câmara… inclusivamente se estiver a usar a função de sincronização de “Alta velocidade” (FP) o SB-700 utilizado como remoto responderá à mesma velocidade.

duda disse...

Aprendi na hora..muito legal..obrigada

Aleattorius disse...

José Loureiro, é possivel usar um SB600 externo com uma D5000?

José Loureiro disse...

Não.
Para usar o SB-600, fora da sapata da câmara, como flash externo (escravo) com uma Nikon D5000 só tem três possibilidades:
1. Controlá-lo através da unidade Nikon SU-800;
2. Utilizar um cabo de sincronização ou, por último;
3. Adquirir um conjunto rádio emissor/receptor adequado.

Fabricio disse...

Boa noite, e parabens pelo seu blog.

Tenho uma D700 e um flash sb900.
Ultimamente o meu flash tem disparado sozinho e/ou a luz do infravermelho fica ligado durante uns segundos (e nao deixa disparar...). Ouvi dizer que podera ser do peso do flash (pois acontece mais vezes qd a camara se encontra na vertical), e que a sapata da maquina pode ganhar folga...o José ja ouviu alguns comentários sobre esse "defeito"?
Obrigado

Jose Loureiro disse...

Não só conheço como também já tive esse mesmo problema (embora com um Flash cuja sapata era em baquelite).
A causa é efectivamente a falta de contacto com a base. Ou melhor, uma falta de contacto efectiva e contínua.
Provavelmente existe uma folga ou pode a sapata do Flash estar gasta…
Pelo que me parece – atendendo ao que diz e a aos sintomas que relata - a solução passará pela simples substituição da sapata de contacto… Pelo menos no meu caso foi assim e penso que será também a do seu…

Fabrice disse...

obrigado pela dica !!! ja estava a desconfiar.

vou tratar disso o mais breve possivel...

EXCELENTE BLOG !!!!!!

Anónimo disse...

tenho uma d7000 e comprei o flash sb900 mas quando uso ele na camera a velocidade de foco fica lenta,isto é normal ou é questao de configuracao.

Jose Loureiro disse...

A velocidade de focagem não é influenciada pelo uso do flash. O que pode, sim, acontecer é a diminuição da velocidade de obturação caso esteja a fotografar em condições de luz diurnas e não tenha configurado o SB-900 para sincronização a alta velocidade (“FP”).
Em relação à focagem, regra geral, acontece é que quando usa o flash a focagem é mais precisa/eficiente (e por isso mais rápida) em condições de pouca luz uma vez que “a grelha” cruzada de luz vermelha que o LED do Flash projecta (Auto assist lamp) sobre o sujeito é mais eficaz que a tradicional luz emitida pela câmara para o mesmo efeito.

Anónimo disse...

OK MUITO OBRIGADO

Saramago disse...

Caro J. Loureiro, parabéns pelo post, muito esclarecedor.
Tenho uma D7000 e recentemente adquiri um SB900, mas no modo TTL não aparece a configuração TTL BL, somente FP pois foi configurado para tal.
Qual a dica para corrigir o problema?

abraço,
JB Saramago

Jose Loureiro disse...

Olá, caro Saramago.
Não sei se estou a entender bem o seu problema…
Com o flash montado na câmara e com ambos ligados (câmara e Flash) já experimentou carregar no botão de “Mode” do lado esquerdo e depois com o selector redondo, situado no centro da parte traseira do SB-900, seleccionar esse modo TTL-BL-FP e confirmar no botão central desse mesmo selector “OK”?
Foi isso? E não consegue mudar o modo??
O mais que poderia não conseguir era a opção de “FP” caso ela não estivesse configurada na câmara… agora o BL (flash de enchimento) é seleccionado no próprio Flash pela via que acima descrevi… Na D7000 não há qualquer incompatibilidade com esse modo.

Não sei se era isto… e se ajudei…
Um abraço

Saramago disse...

Caro J. Loureiro, na realidade não aparece a opção TTL BL para dar OK. Já li todo o manual para tirar as dúvidas e não encontrei nada. Mas, ontem a noite, fiz algumas fotos de família usando o flash, e de vez em quando aparecia no visor do flash TTL BL e depois desaparecia.
Será que pode ser problema com ele?
Teria alguma configuração especial da D7000 que eu tenho que alterar?
Grato
abraço,
JB Saramago

Jose Loureiro disse...

Em complemento à informação que lhe dei, de facto existe uma configuração a efectuar na Nikon D7000 (ou outra qualquer…) de modo a obter a modo “BL” (mas como disse que por vezes aparece, outras não…. Cá vai de novo…
Essa opção tem de aparecer no visor do Flash (depois de seleccionar o botão “Mode” e rodar o selector circular) com o Flash MONTADO na sapata da câmara. Mais… a câmara tem também de estar ligada!

Se não aparecer a opção TTL BL, então vamos rever algumas configurações na D7000:
1. Não tem o modo de medição de luz PONTUAL seleccionado? Com esse tipo de medição PONTUAL o Flash não possibilita a opção”BL”!
2. Na câmara no MENU de DEFINIÇÕES PERSONALIZADAS (símbolo da câmara) tem correr o cursor até ao campo “e” para de seleccionar a opção AUTO-FP (na opção e1) para 1/250 ou 1/320 (Plano Focal Automático) e confirmar com OK. Se esta opção não estiver activa, também será possível a opção “BL”!

Se confirmar que estas opções estão conforme os passos que acima referi, então algo de errado se passa…
Espero que as dicas ajudem!
Um abraço

Saramago disse...

Agora sim, funcionou! A medição estava em modo Pontual...falha minha...eheheh
Realmente, no manual da D7000 (pag 146) diz que no modo pontual não está disponível o BL.
São conceitos básicos que vão se firmando aos poucos.
Valeu muito, obrigado!

abraços,
JB Saramago

Anónimo disse...

Olá José Loureiro!!!!
Estava com a mesma duvida do Saramago.
Fiz um ensaio no parque e a opção BL me fez uma enorme falta!!
Muitíssimo obrigado pela informação!! hehe
Abs André Gomes

RAEvangelista disse...

Excelente artigo.
Gostaria de contar com uma ajuda, tenho a D3S e o flash SB-910. Tem algum acessório que posso comprar para fazer usar o meu flash fora da maquina e disparar remotamente?
Abraçao. Ricardo.

Jose Loureiro disse...

Tem sim senhor.
A opção mais económica é atravéz da utilização dum cabo de controlo remoto de flash.
Da Nikon existe o SC-28 (funciona em TTL com a D3s) e o SC-29 (idêntico mas com uma pequena célula na sapata onde encaixa o Flash o que permite iTTL).
O SB-29 é mais caro e só compensa se fotografar em condições de muito pouca luz. Nos casos, portanto, em que é utilizada a emissão de infravermelhos do próprio flash como luz assistente de focagem).
A outra opção (sem recurso a cabos) já foi mencionada em comentário mais acima – a SU-800.

Juca disse...

Olá
tenho uma D300 e uma D90 na d300 o flash nunca dispara em automatico como dispara na d90, tenho mal configurado ?
obrigado

Jose Loureiro disse...

Olá Juca
Não entendo o que quer dizer com “disparar em automático”…
Esta a referir-se ao Flash integrado na câmara? Ou a um Flash SB-900 montado na mesma…?
Em todo o caso, o funcionamento do Flash externo (seja o SB-900 ou outro) na sapata da câmara é (deve ser) idêntico em ambos os modelos que referiu (Nikon D90 e Nikon D300)
Se a sua questão (ou dúvida) por outro lado se relaciona efectivamente com o Flash integrado na câmara, então há diferenças sim:
A Nikon D90 “levanta” automaticamente o Flash integrado (Auto pop-up) quando está seleccionado o modo Auto-Flash enquanto que a Nikon D300 não tem essa função. Na Nikon D300 o Flash integrado terá de ser accionado (levantado) sempre manualmente. Só assim funcionará!

Anónimo disse...

Amigo, sera que vc pode me ajudar em uma duvida cruel, como faço pr assionar a luz do flas sb900 acoplado na d3s quando estiver fotografando em baixa luminosidade pra facilitar a focagen.

Jose Loureiro disse...

O sistema “AF Assist” do SB-900 funciona com certas condicionantes….

• É necessário que o modo de focagem seleccionado seja o modo “Single Servo Auto Focus” - comutador ao lado da baioneta a câmara na posição (S). No modo “Continuous” (C) tal não é possível
• O ponto de focagem (selecção de área de focagem) a usar para focar tem de ser o Central

Utilizando as regulações acima pode inclusivamente focar em situações de total isenção de luz pois o sistema de grelha cruzada por infravermelhos tratará de auxiliar a focagem!
Espero ter respondido à sua questão…

Marco Antonio Fernandes Cardoso disse...

Olá José Loureiro, parabéns pelo blog muito esclarecedor e muito bem construído.
Quero te perguntar uma coisa se for possível:
Tenho um sistema que fotografa natureza com oito Cameras Nikon D5100. Sei que as câmeras são simples e de recursos e resistência a desejar mas, pela rusticidade prática, elas respondem com razoável qualidade.
A questão pega, quando utilizo em ambientes escuros, do tipo túneis e cavernas. Como isso opera? Monto na estrutura 8 câmeras D5100 iguais, no modo manual, com ajustes idênticos. Mas só 3 delas tem flash SB900 acoplados. Às vezes, acontece que só as três com flash, é que captam a iluminação as outras 5 ou parte delas não conseguem captar. No último caso, elas foram disparadas em intervalos de 1seg. a cada 3 metros em um túnel. Na maioria das vezes todas captaram o flash, mas em algumas várias isso não aconteceu. Ou seja as três com flash captaram e as demais, hora sim hora não. Você consegue imaginar uma explicação para as falhas das câmeras, já que os flashes não falharam? Abraços e muito obrigado.Marco Antonio/studiomarcoantonio@yahoo.com.br

Jose Loureiro disse...

Olá Marco
Em primeiro lugar não sei concretamente quais as suas intenções em utilizar as 8 câmaras e, bem assim, quais as configurações de flash que tem em cada uma…
Além disso, só posso “adivinhar” que possa tratar-se também dum problema relacionado com o nº guia dos flash’s… Os SB-900 tem uma capacidade e potência de clarão completamente diferente dos flash’s integrados nas D5100.
Além disso: Está a utilizar os SB-900 como Flash directo ou projectado? Não estará a disparar os flash’s integrados em modo iTTL e os externos (SB-900) noutro modo?
Enfim, podem ser uma série de factores…

laplace sant'Anna disse...

obrigado pelo site, instrutivo e objetivo.

Paulo Moreira disse...

Boa tarde José;
Gostava de saber a tua opinião sobre o flash yongnuo yn565ex para utilização numa Nikon.
Obrigado

Jose Loureiro disse...

Paulo Moreira
Para ser franco nunca testei Flash's da Yongnuo.
Sei que são uma alternativa mais acessível mas desconheço a sua fiabilidade e equiparações de funções aos Flash+s da Nikon.
Todavia, existem outras opções... se calhar um pouco mais caras mas (eventualmente) mais robustas e fiáveis. Estou a lembrar-me de duas: A Nissin e a mais conhecida Metz. A primeira penso que terá preços mais competitivos...

Anónimo disse...

Depois de horas lendo o manual e pesquisando na internet como disparar remotamente com o flash fora da sapata e utilizando o proprio flash da camera como controle remoto (no meu caso uma D5300), somente aqui consegui entender que tinha que colocar o SU-4 na posição ON. Obigado pelo facil explicação e simples que nem o manual NIKON consegue ser claro.

Jose Loureiro disse...

Não tem de que agradecer.
Ainda bem que foi útil e esclareceu as suas dúvidas.