Medição Matricial de Luz (Influência da área de AF activa)

.....

Como primeiro assunto, neste Blog que pretende ser um espaço de troca de opiniões e experiências relacionadas com a fotografia, aproveito para partilhar uma reflexão acerca de uma situação que ainda há bem poucos dias me surgiu relativa ao sistema de medição matricial da Nikon e a qual, penso, não vem explicada em nenhum Manual de Utilizador.

As actuais máquinas SLR da Nikon permitem escolher um entre 3 tipos de medição possível, a saber, a Medição Pontual (um único pequeno ponto, regulável em certas máquinas em termos de diâmetro, numa determinada zona da cena que pretendemos fotografar); a Medição Central-Ponderada (círculo central da imagem) e o sistema de Medição Matricial.
Na realidade o sistema de medição Matricial tem de ser compreendido para podermos tirar partido dele. No caso de ser mal usado os resultados podem ser piores, ou seja menos fiáveis, do que aqueles obtidos pelas antigas máquinas cuja medição se baseava em menos factores e tinham menos opções de controle sobre a medição de luz.
O sistema de medição Matricial de Luz da Nikon baseia-se numa medição de luz da área total da imagem captada. Mais é do conhecimento geral que essa medição se baseia não só nos níveis do contraste e brilho mas também, nos mais recentes modelos de máquinas, na cor. É a chamada medição matricial “3D Color Matrix”. Seguidamente, o processador de imagem vai comparar a cena lida com uns milhares de medições padrão ou de referência, e vai regular a exposição para aquela que achou ser a melhor. Até aqui tudo bem e com base naquilo que foi dito poderíamos pensar que este sistema seria infalível na medição das cenas que pretendemos fotografar, certo? Errado!
As fotografias que agora coloco como exemplo foram aquelas que me levaram a colocar este “post” e provam precisamente isso!

Após ter feito algumas experiencias cheguei à conclusão que este tipo de medição tende em certas situações a sobre-expor as fotografias. Porquê? Pois bem, primeiro porque em cenas com existência de grande contraste (claro/escuro, em que há vários valores de exposição -EV- de diferença entre essas zonas) o sistema matricial dá prioridade e tende a optar pela sobreexposição em vez da subexposição. Segundo, e é isto que pode ser novidade para alguns e daí a experiência que aqui partilho para quem ainda não descobriu o porquê de às vezes fica com fotografias sobreexpostas (usando um sistema que há partida uma vez que lê todas as zonas da cena devia ser preciso), é o facto do sistema matricial, além da primeira nuance já referida, ter ainda em conta a zona do sensor de focagem que usamos. Isto é, parte do princípio que se estamos a focar aquele determinado ponto é porque aquela é a zona mais importante da composição e deve ser essa a ficar "correctamente" exposta! Logo se estamos a focar uma zona à sombra a exposição "pré-definida" pelo sistema matricial tende a sobre-expor a restante parte da cena para que a zona de sombra fique, desse modo, "correctamente” exposta. É o caso das fotos acima e que servem como exemplo. Na primeira foi usado o sistema de medição matricial e a área de focagem foi a da zona da parede sombria do moinho. Na segunda foi usado o sistema de medição central-ponderado (não sendo ainda a exposição correcta é, todavia, melhor que a do primeiro caso). Não foi alterado mais nenhum factor além do já mencionado modo de medição. (Clique nas fotos para aumentar e ver as diferenças)

Assim este tipo de medição, que muitos de nós usamos, como maneira rápida de medir a luz, nem sempre é o aconselhável. Nestas circunstâncias é preferível, se não se quiser estar a fazer as devidas compensações em termos de exposição, fazer a medição matricial numa zona da imagem neutra e a seguir refocar ou então usar o sistema de medição central-ponderada.

Para tiraram as vossas conclusões e verificar que é assim, façam a seguinte experiência:
- Escolham uma cena com grandes contrastes – por exemplo fotografar para o exterior a partir do interior duma divisão com uma janela num dia claro.
- Seleccionem o sistema de medição Matricial.
- Escolham o modo prioridade ao obturador.
- Por último, sem mudar a posição da máquina, vão variando a escolha do selector de focagem e verifiquem que apesar de se manter a velocidade definida o valor da abertura indicado (f/stop) vai variando consoante a área seleccionada pelo ponto de focagem activo esteja na zona escura ou na zona clara da cena!

Como se consegue assim verificar, fica desfeito o mito de que este sistema é infalível e lê toda a cena arranjando a melhor exposição possível. Se medisse unicamente toda a zona da cena e não tivesse em conta a zona de focagem seleccionada os valores obtidos, ao alterar esta última, não se deviam alterar, não é?
De facto que é um bom sistema de medição até é verdade, desde que a cena escolhida não seja de grandes contrastes. A partir de um certo grau de variações de valores de exposições entre as zonas clara/escura o sistema opta pela sobre-exposição caso tenha sido seleccionada uma zona de focagem escura.
Este “post” não visa ensinar nada de novo e não sendo também nenhum “Ovo de Colombo” serve apenas como ajuda para a compreensão do porquê de certas fotografias, quando se usa o sistema de medição em causa, tenderem a ficar sobre-expostas. Isto claro, para quem ainda desconhece estes factos e ainda não se deu ao “trabalho” de descobrir o porquê.

9 comentários:

diario de um skatista amador disse...

E eu que pensava que sabia fotografar!!!
teu blog e do karal.........
ja esta nos meus prediletos....

Correia dos Santos disse...

Este artigo merecia bem fazer parte dos manuais das SLR`s. Nunca me tinha apercebido das nuances da medição matricial. É a ler este tipo de artigos, que percebemos o quanto não percebemos de fotografia.
Obrigado pela partilha.

LiCo disse...

Boa explicação!

Castro disse...

Muitos parabéns pelas explicações. A ignorância só se combate com o conhecimento....
Obrigado

José Castro
http://olhares.aeiou.pt/castro

José Luiz Bet disse...

Adorei o artigo. Mas gostaria que você explicasse as diferenças em usar os 3 modos de medição da luz e se possível com fotos de exemplo.

Obrigado.

José Loureiro disse...

Acerca do modo de medição Matricial penso que não há muito mais a dizer do que o que já ficou dito no artigo.
Quanto aos outros dois: O central ponderado e o pontual a escolha terá a ver, entre outros aspectos, com o diâmetro da área que pretendemos expor correctamente. Isto é, para fotografar rostos (retrato) o modo central ponderado será a escolha por defeito mas já para conseguir uma exposição correcta dum determinado pormenor numa cena que envolva grandes contrastes de luz (entre sombras/altas luzes) o modo pontual será o ideal. Mas tudo é relativo e cada caso é um caso…
Oportunamente, com tempo, vou ver se o consigo esclarecer melhor através dum artigo com exemplos…

Wagner disse...

Muito bom seu post. Esclareceu duvidas de muitos fotógrafos que não sabiam o porque de medições erradas de luz. poderia me dizer se essa sua experiência muda fotografando um evento à noite com flash??

Já add seu blog nos meus favoritos.

Valeu pela dica, já vou fazer testes...

José Loureiro disse...

Teoricamente, o princípio da medição de luz é o mesmo. Quer à noite, quer de dia. Todavia, à noite utilizando flash esse problema não se coloca. Uma das razões reside no facto da maior parte dos flash’s usar unicamente a parte central da cena para fazer a medição de luz (à excepção do Nikon SB-900 que possibilita essa leitura em qualquer um dos pontos de focagem activos).

Luiz Gustavo Gregorio disse...

Puxa, sou fotógrafo amador e comprei recentemente uma D7000 no intuito de desenvolver minhas técnicas e ter uma controle criativo melhor.
Viajei e tive sérios problemas com a câmera, 60% das fotos estavam sobre-expostas, tive um trabalho enorme para corrigir os arquivos RAW e algumas imagens acabei tendo que forçar a saturação inclusive.
Fiquei chateado achando que havia algum problema com a câmera, inclusive li alguns foruns a respeito mas foi no seu blog que eu finalmente entendi qual era o meu problema, a bendita matricial, fiz agora pouco alguns testes com a ponderada e realmente resolveu meu problema.
Muito obrigado (mesmo que muito atrasado, já que o post é de 2009) pelas informações e pela ajuda.